Chile recua e muda as regras de entrada; quarentena agora necessária

0
Capa

De acordo com recente comunicado, a partir de 23 de novembro, o Chile reabriria para visitantes de todo o mundo, desde que os passageiros apresentassem teste PCR negativo para COVID-19 feito até 72 horas antes da chegada, preenchessem declaração eletrônica e utilizassem aplicativo no celular para monitoramento de saúde, conforme noticiamos aqui.

No entanto, poucos dias depois do anúncio, o país voltou atrás da decisão, e agora indica que viajantes de países com transmissão comunitária, constantes na lista atualizada semanalmente pela Organização Mundial da Saúde – OMS, caso do Brasil atualmente, devem cumprir quarentena de 14 dias na chegada.

A medida vale a partir da abertura das fronteiras programada para 23 de novembro, e deve permanecer – pelo menos – até 7 de dezembro. Segundo as autoridades, a deliberação servirá para acompanhar e analisar o processo de reabertura do país.

As regras publicadas anteriormente também tiveram modificações. O teste PCR negativo para COVID-19 deve agora ser feito em até 72 horas antes do embarque (não mais antes da chegada como constou anteriormente). Outra novidade é a necessidade de seguro saúde com cobertura para Covid-19. Ainda, foi indicada página para preenchimento do formulário de entrada.

Importante ressaltar novamente que somente será possível a chegada pelo Aeroporto Internacional de Santiago (SCL). Alguns locais como Puerto Montt, Puerto Natales, Punta Arenas e Ilha da Páscoa, dentre outros, seguem fechados sem previsão de abertura.

Algumas Palavras

Natural que as regras mudem de acordo com a situação do momento, mas é lamentável que ocorra anúncio de reabertura do país e, em menos de uma semana, se proceda com consideráveis alterações nos requisitos antes divulgados.

Com exceção das pessoas que realmente precisam ir para o Chile, não vejo quem a passeio estaria disposto a permanecer em quarentena por 14 dias, quando, em paralelo, já existem diversos países nos quais é possível a entrada sem muitas exigências.

Quem pretende ir ao país, deve ficar atento e acompanhar a situação, até mesmo porque podem surgir novas restrições. O prazo até 7 de dezembro também não deve ser considerado como absoluto, já que nada impede que haja nova prorrogação para a abertura definitiva.