Comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19?

24
Comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19?

Comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19? Pergunta essa que muitos devem estar se fazendo nesse momento e neste artigo o Carlos, como não poderia deixar de ser, nos traz uma excelente análise para ajudar a responder a esta questão.

O cenário atual

Com a atual crise em desdobramento, é bastante provável que surgirão oportunidades de compras de passagens por preços abaixo do padrão. Mas, mesmo com preços baixos, por qual valor valeria a pena comprar uma passagem, comparando com o custo de sua emissão com milhas?

Da mesma forma que os aviões estarão mais vazios e as empresas procurarão enchê-los vendendo passagens mais baratas, a disponibilidade de assentos para resgate por pontos também deverá estar alta.

Comprar passagem ou emitir com milhas – Meus critérios

É até possível que tenhamos promoções de resgate com milhas abaixo dos preços de tabela (as poucas que ainda existem). Porém, pensei em estipular valores a partir dos quais o preço da compra das passagens começa a ficar interessante e, neste ponto, fazer a comparação mais detalhada (companhia, milhas ganhas, rotas) de qual seria o método de pagamento mais interessante.

Para fins de cálculo geral, vou adotar algumas premissas, que não serão, necessariamente, universais. Utilizarei como valor do milheiro R$40, que é o atual valor do clube 20k da Livelo e é muito próximo ao que a empresa vende, diretamente, em promoções ou através do pontos+dinheiro.

Para os bônus de transferência, utilizarei:

  • 100% para Miles&Go (percentuais maiores são possíveis com combinações de promoções de clube e compra de milhas)
  • 80% para Smiles (100% viraram lenda)
  • 50% para Latam Pass, que é possível em promoções com pontos de volta na Livelo, com status no programa ou em algumas raras promoções de transferência, sem adicionais requeridos.

Tudo Azul, além de ser o pior dos programas disponíveis, não está tarifando passagens operadas por outras companhias.

Um ponto principal a observar são as taxas que serão cobradas na emissão de passagens com pontos. Nas passagens pagantes, é obrigação normativa que as empresas apresentem o valor final já na pesquisa. Nas emissões com milhas, teremos o acréscimo das taxas aeroportuárias e de emissão e, possivelmente, das abusivas taxas de combustível, que podem modificar por completo a análise.

Viagens para a América do Norte

Comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19?
San Francisco

Classe econômica

Esta região, para passagens em econômica, possui valores equilibrados entre Miles&Go, Latam Pass e Smiles, todos na casa de 60 mil pontos para ida e volta (valor fixo no primeiro para todos os destinos e variável nos outros dois).

Ao analisar o custo da emissão, a vantagem do Miles&Go aumenta, pois, além de ter o mesmo preço para qualquer destino, a passagem custaria R$1.200, contra R$1.300 do Smiles e R$1.600 da Latam Pass.

As taxas de embarque custariam, no mínimo, por volta de R$250 e, no caso do Miles&Go, teria o acréscimo de valor parecido de taxa de emissão.

Miles&Go teria opções de voos com boas empresas como Air Canada e United, Smiles os valores mais baixos são com Aeromexico e no Latam Pass, com a própria Latam.

No fim, levando em conta a maior flexibilidade de datas das passagens compradas e o possível ganho de milhas, eu consideraria como dois mil reais um valor já razoável para a compra da passagem em econômica, o que não está muito longe de valores promocionais relativamente corriqueiros.

O principal diferencial das milhas, para esta classe específica, é a possibilidade de fazer open-jaw (chegada por uma cidade, volta por outra). Além disso, no caso do Miles&Go, ainda ter um stopover em uma cidade, emitindo a continuação da viagem no mesmo bilhete.

O Miles&Go ainda seria útil para destinos normalmente mais caros da costa oeste ou cidades mais restritas, como Edmonton, Walla Walla (referência Simpsons) ou Albuquerque (referência Pernalonga). 🙂

Classe executiva

Já para passagens em executiva, a situação é diferente. O valor de ida e volta com Miles&Go é de 100 mil pontos, com Smiles, a partir de 120 mil e na Latam, a partir de 160 mil (ver alternativas neste ótimo post da Bia).

Em custo, temos:

  • Miles&Go – R$2.000
  • Smiles – a partir R$2.600 (voo direto com Aeromexico)
  • Latam Pass – a partir de R$4.200

Lembrando que o Miles&Go oferece os benefícios adicionais de open-jaw, stopover e destinos variados.

Taxas adicionais e companhias disponíveis permanecem os mesmos dos bilhetes em classe econômica (cuidado apenas com a possibilidade de cobrança de taxas de combustível com Air Canada).

Neste caso, eu colocaria como o máximo atrativo a passagem paga por volta de R$3.500, e voando em boas cabines (AC, UA Polaris, DL Suites…). Este já é um valor mais difícil de ser oferecido, principalmente pela alta cotação do dólar (equivaleria a passagem por volta de 700 dólares).

Atualmente, a Aeromexico está com tarifas de R$3.200 para Miami e R$3.600 para Los Angeles ao longo de todo o calendário, o que considero muito bom mas não imperdível.

Viagens para a Europa

Paris

Classe econômica

Em termos de valor, esta região é mais competitiva, tendo a econômica o custo aproximado a partir de 80 mil com Miles&Go, 54 mil com Smiles e 70 mil com Latam Pass.

O custo por emissão fica em R$1.600 reais com Miles&Go, R$1.200 com Smiles e R$1.800s com Latam Pass e, para minha surpresa, temos Smiles como mais vantajoso, em passagens emitidas para voar com a própria TAP.

As taxas de embarque variam muito a depender do destino e conexões, começando por volta de R$300 e chegando a R$1.200 para Londres com conexões.

Em termos de empresas, as opções são mais limitadas. Os valores mais baixos do Miles&Go são para voos TAP, o mesmo caso do Smiles. No Latam Pass, são apenas para Latam.

Levando em conta a flexibilidade, o destino e a empresa voada, até R$2.500 reais estaria uma tarifa muito boa para a compra da passagem, novamente dentro do padrão do mercado.

Neste caso, a emissão de open-jaw teria de ser assegurada no mesmo bilhete saindo do Brasil para evitar a cobrança de taxa de combustível. Não teríamos a opção de stopover com Miles&Go nos voos operados pela TAP, somente nos parceiros, mas cujo valor subiria para 140 mil pontos.

Classe executiva

Na executiva, os valores para resgate no Miles&Go é de 240 mil (é possível abaixar um pouco em voos puro TAP, mas não muito), 320 mil no Smiles e 240 mil no Latam Pass (ver algumas alternativas no link anterior sobre malabarismo).

O custo de emissão sairia:

  • Miles&Go – R$4.800
  • Smiles – R$7.100
  • Latam Pass – R$6.400

Nesta situação, o Miles&Go novamente tem o benefício de open-jaw, stopover e destinos variados.

Com estes dados, uma passagem em executiva a R$6.000 estaria vantajosa para compra, tarifa que a Latam possui atualmente – confira este post do Claudio.

Mas eu não acho estes valores nem um pouco atrativos, o meu limite seria até uns R$4.000 reais. O problema é que a Europa virou um destino caro para emissão com milhas e, pelo valor cobrado, eu prefiro gastar na próxima opção.

Viagens para a Ásia

Comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19?
Hong Kong

A análise comprar passagem ou emitir com milhas é bem mais simples em se tratando de Ásia: Latam não tarifa online e Smiles cobra os olhos da cara, sobrando apenas Miles&Go. 😉

As taxas de embarque começarão por volta de R$600 reais e as opções de companhias serão bastante extensas, com os integrantes da Star Alliance.

O Miles&Go cobra 160 mil pontos na econômica e 260 mil pontos na executiva, equivalendo a R$3.200 e R$5.200 reais, respectivamente. Há a vantagem do open-jaw, stopover e destinos aleatórios.

Em termos de tarifa, então, consideraria atrativos abaixo de R$5.000 na econômica e R$7.000 na executiva. Para a econômica, a média do mercado está um pouco acima destes valores e, na executiva, é pelo menos o dobro.

Algumas Palavras

Novamente, o período requer cautela com gastos, já que os desdobramentos e efeitos da crise ainda são imprecisos, tanto em termos financeiros quanto de circulação de pessoas. Entretanto, é interessante ter parâmetros para avaliar as ofertas que surgirão.

No geral, as avaliações das passagens em econômica serão mais relevantes com a prática de preços do mercado anteriormente, pois a vantagem do uso das milhas é mais limitada.

Já na executiva, o custo da emissão com milhas já estabelece um bom parâmetro de avaliação dos valores das passagens, com exceção da Europa.

De uma forma ou de outra, o programa Miles&Go é o que apresenta maior atratividade e flexibilidade de usos. É até possível conseguir valores menores de emissão para quem paga o clube Livelo com preço antigo ou consegue percentuais de transferência maiores que 100%.

Bem, espero que essa análise de comprar passagem ou emitir com milhas em tempos de covid-19 venha a ser útil para alguns.

Mais uma vez, e como sempre, agradecemos ao Carlos por nos brindar com esse excelente artigo que serve como referência não só em tempos de covid-19, mas em qualquer momento que precisarmos decidir entre emissões com milhas ou a compra de um bilhete.

Para Saber Mais