A evolução dos programas de milhas e pontos no Brasil – Compras de pontos

4

Nesta publicação trazemos o quarto artigo da série que fala sobre a evolução dos programas de milhagens no Brasil e vamos olhar a compra de pontos e suas implicações. Em quase todos os países, comprar pontos não é atraente devido aos altos preços cobrados.

No entanto, graças aos bônus cada vez mais generosos, seja na compra ou na transferência, em muitos casos isso é um bom negócio nos clubes de pontos nacionais. Confira todos os detalhes abaixo.

Para recordar, esta série de textos está sendo produzida em parceira com o Quero Viajar na Faixa. No final do artigo você encontrará os links para os demais textos já publicados.

Compra de Pontos e Milhas

Comprar milhas é algo que normalmente não vale a pena, exceto para complementar uma emissão. Por exemplo, o preço médio do milheiro de milhas gira em torno de R$20 a R$22, então só compensaria comprar abaixo disso.

O preço cheio de 1.000 milhas é R$70 em todos os principais programas brasileiros (quase um cartel). A exceção atualmente fica por conta do programa Iupp do banco Itaú que vende os milheiros a R$40. No entanto, os programas oferecem descontos de 60%, às vezes 65% ou raramente 70%, em muitas limitando a quantidade de pontos.

As empresas são criativas e em algumas de suas promoções vemos pegadinhas embutidas. Por exemplo, ao invés de oferecer 90% de bônus, podem te oferecer 80% mais um cupom para comprar 20k milhas com 70%. Isto são apenas formas de se divulgar uma promoção.

E para comprar pontos na Livelo? O preço cheio também é R$70, e o desconto costuma ser de 40%, ou seja, compramos a R$42 o milheiro. A partir do ano passado, os assinantes do clube 20.000 receberam o direito de comprar 20k pontos a cada 4 meses, com 50% de desconto. E recentemente, por conta da pandemia, a Livelo permitiu que todos os assinantes há mais de um ano pudessem comprar pelo mesmo preço, isto é, R$35.

Isso quer dizer que se vocês que ainda não são assinantes ou ainda não completaram 12 meses terão que pagar R$42 no milheiro?

Felizmente não, e vamos explicar. Devido à pandemia da covid-19 a Smiles tem feito promoções onde os bônus de transferência chegam a 100% e no TAP Miles&Go a 120%. Imagine que você está com 20.000 pontos e gostaria de transferir 100.000. Como fazer?

  • A primeira ação é comprar 80.000 pontos a R$42, ou seja, desembolsaria R$3.360
  • Mas existe a opção “Pontos + Dinheiro”, sendo que a melhor opção é 20% em pontos e 80% em dinheiro.

Para a TAP não daria muita diferença, pagaria R$3.306,80, ou R$41,33 o milheiro. Mas para o Smiles o valor ficaria em R$2.881,64 (R$36,02), uma diferença de quase R$500. Viu que bela economia?

Algumas Palavras

Portanto, antes de transferir pontos da Livelo para algum programa sempre compare as opções de compra de pontos pura com o pontos + dinheiro. Se o preço do milheiro ficar abaixo do valor de compra, isto é R$42, é melhor transferir como “Pontos + Dinheiro”.

Gostou da dica?

Para Saber Mais

Para ler mais sobre esta série, clique nos títulos abaixo:

A evolução dos programas de milhas e pontos no Brasil

A evolução dos programas de milhas e pontos no Brasil – Compras com cartões de crédito

A evolução dos programas de milhas e pontos no Brasil – Clubes de pontos