Itaú volta atrás (se posiciona) sobre o fim do acúmulo de pontos por meio das carteiras digitais

26
Itaú volta atrás (se posiciona) sobre o fim do acúmulo de pontos por meio das carteiras digitais

Ontem nós publicamos uma péssima notícia para quem utiliza os cartões do Banco Itaú, que começou a enviar uma comunicação por e-mail, informando os seus clientes sobre uma mudança no regulamento do seu programa de pontos, com o fim do acúmulo por meio das carteiras digitais.

O comunicado dizia expressamente o seguinte: “Todas as transações feitas com cartão de crédito cadastrados em carteiras de pagamento não acumularão mais pontos no seu programa.” 

Porém, o Itaú há pouco se posicionou a esse respeito, nos seguintes termos:

A fim de desestimular o uso indevido de cartões de crédito e evitar riscos ao ecossistema financeiro, os programas de fidelidade vinculados a todos os produtos do Itaú Unibanco deixarão de acumular pontos originados por transações via carteiras de pagamentos que desrespeitem regras estabelecidas pelas bandeiras de cartões e/ou normas das autoridades que regulam esse mercado.

 

A medida terá validade a partir de 27 de novembro de 2020 e será aplicada, neste momento e em função de tais critérios, às carteiras RecargaPay e PicPay.

 

Vale ressaltar que os pagamentos realizados com carteiras digitais como Apple Pay, Google Pay, PayPal, Samsung Pay e carteiras vinculadas a sites e aplicativos de comércio eletrônico, como, por exemplo, Ame Digital, Magalu Pay, Mercado Pago, Rappi e iFood, entre outras, continuarão pontuando normalmente.

 

As compras realizadas por qualquer carteira digital continuarão sendo consideradas nas metas de gastos para a isenção de anuidade dos cartões com essa possibilidade.

 

Atualizações sobre o assunto serão comunicadas previamente aos clientes.

Algumas Palavras

Não tenho dúvidas de que o Itaú voltou atrás após a repercussão absurdamente negativa gerada por todo lado na internet. Se fosse para restringir a pontuação gerada apenas pelas carteiras digitais PicPay e RecargaPay, seria mais fácil dizer isso expressamente no comunicado, concordam?

Da forma como comunicaram, em destaque acima, não restam dúvidas da intenção inicial do Banco Itaú e na minha visão, o “barulho” gerado surtiu efeito e voltaram atrás, ainda que parcialmente.

Porém, isso demonstra mais uma vez o modo de agir do Banco Itaú, que além de ter os piores cartões do mercado, promovem mudanças prejudiciais aos seus clientes em plena pandemia da Covid-19, momento em que a maioria das pessoas concentram as suas compras exatamente nos meios digitais de pagamento.

O que vocês acharam de tudo isso?