LATAM inova na cobrança de bagagem despachada

0

A LATAM decidiu inovar na cobrança da bagagem despachada para destinos internacionais. E por inovar entenda-se cobrará a mais pela bagagem despachada, dependendo das circunstâncias.

Já tem algum tempo que a empresa entendeu que é possível ir do Brasil à Europa, América do Norte, Oriente Médio e países da América do Sul só com a bagagem de mão com, no máximo 10 kg, já incluído o peso da mala. Tanto é assim que estabeleceu tarifas sem o direito de levar bagagem despachada. Para quê despachar bagagem, não é mesmo? Mole, mole passar uma semana com a roupa do corpo e uma muda de roupa na mala em Paris, ou Londres, ou Tel Aviv …

Mas vamos ser sinceros aqui: não é só a LATAM que está surfando nessa onda. Outras empresas aderiram à política da roupa de corpo em viagens internacionais de longa distância.

A Novidade

Agora, o valor da bagagem despachada vai variar de acordo com:

  • rota;
  • tarifa;
  • alta/baixa temporada;
  • antecedência da compra (mais ou menos de 48 hrs do voo).

Comprando com antecedência de, pelo menos 48 horas antes do voo, o valor é mais baixo, assim como também se paga menos na baixa temporada.

Vamos à tabela:

Jogo dos Erros

A LATAM cometeu algumas ilegalidades nessa sua nova política. Em primeiro lugar, mais uma vez, fez as alterações sem qualquer comunicação aos clientes. O Leonardo Cassol, dos Melhores Destinos, é quem descobriu a manobra e a publicizou.

Em segundo lugar, os valores são variáveis e o passageiro não tem como saber, com antecedência exatamente o quanto vai pagar. Há diversos exemplos na tabela. Entre América do Sul e Europa: a primeira mala varia entre USD 30 e USD 55. Entre países da América do Sul, o passageiro pode pagar entre USD 6 e USD 45!!!!

Existe no Direito o princípio da não-surpresa que visa, justamente, explicitar ao contratante, antes de fechar o negócio, todos os gastos envolvidos com o contrato. E a tabela acima fere o dito princípio ao não possibilitar que o cliente saiba exata e antecipadamente o quanto vai pagar pelo despacho da bagagem.

Um terceiro problema é que, segundo um leitor do Melhores Destinos relatou quando fez a simulação de compra na sua reserva, a vigência da nova política retrocede ao dia 9 de outubro e atinge todos os passageiros que adquiriram bilhetes com direito à bagagem despachada antes da alteração,

Isso é um desrespeito ao direito adquirido do passageiro de ter sua passagem regida pela regras vigentes à data da compra (ou como se diz no Direito – tempus regit actum – o tempo rege o ato).

Em contrapartida, a LATAM, em nota ao Melhores Destinos disse que “a companhia também reforça que nada muda para os passageiros que já compraram os seus bilhetes nos perfis de tarifas que já contemplam o despacho de bagagem“.

Sugiro que aqueles que têm passagem comprada com direito à bagagem despachada verifiquem as suas reservas para não terem a desagradável supresa de descobrir que terão que pagar mais do que o planejado.

As Novidades não Param por Aí

Segundo o Leonardo Cassol, a bagagem de mão também sofreu alterações. Agora, a bagagem de mão fora dos padrões terá uma cobrança extra de R$ 140,00.

Como a LATAM coloca funcionários checando as malas dos passageiros na fila de embarque, é de se questionar como essa cobrança será feita. Será um momento agradabilíssimo para quem tiver uma mala com 3 cm a mais do que os magros 35cm de largura que a LATAM permite.

Algumas Palavras

Já tem algum tempo que a LATAM desafia a paciência dos seus clientes. Mudanças são feitas a portas fechadas e assim permanecem até que alguém descubra e faça a divulgação negativa.

Essa é a estratégia de marketing da empresa: omitir todas as mudanças que venham a prejudicar os clientes. Ela deixa para os blogueiros anunciarem. Para quê ampliar a derrota, não é mesmo?

Eu sei que a maioria das pessoas compra passagens com base no menor preço, mas agora eu faço apelo à consciência de todos: ainda que a passagem custe um pouco mais com outra empresa, pense bem no destino do seu dinheiro e quem você irá enriquecer.

Dependendo da resposta, gaste um pouco mais. Talvez, assim, a gente consiga mudar a terrível prática comercial de algumas empresas no Brasil. Vale para todas.