Latam retoma suas operações com mais flexibilidade e preços baixos – Mas será que é o bastante?

8
Latam retoma suas operações com mais flexibilidade e preços baixos - Mas será que é o bastante?

Grupo Latam retoma suas operações com passagens mais baratas e maior flexibilidade nas reservas. Confira abaixo os planos da empresa para os meses de junho e julho.

Retomada das Operações

Se tudo correr como planejado, o Grupo Latam deverá aumentar paulatinamente as suas operações nos próximos dois meses. Em junho a empresa espera passar de 5% para 9% da sua capacidade pré-crise. Já no mês de julho o objetivo é chegar a 18%.

Em junho a Latam irá operar as seguintes rotas internacionais:

  • São Paulo – Frankfurt
  • São Paulo – Londres
  • São Paulo – Madri
  • São Paulo – Miami
  • São Paulo – Santiago
  • Santiago – Miami

No mês de julho o grupo esperar chegar a 13 rotas internacionais, porém não esclareceu quais rotas adicionais serão incluídas na malha.

No que diz respeito aos mercados domésticos, o grupo espera chegar a 74 rotas no Brasil e 12 no Chile. Ainda em junho, alguns voos também devem ser retomados no Equador e julho verá a volta das operações no Peru e Colômbia.

Passagens Baratas 

O grupo está prometendo passagens até 20% mais baratas. Os preços mais baixos se darão graças a redução de custos e maior eficiência operacional.

Maior Flexibilidade nas Reservas

Para os passageiros que comprarem passagens até 31 de julho de 2020 a empresa oferecerá as seguintes possibilidades:

  • Os clientes poderão reprogramar voluntariamente seus bilhetes pelo site latam.com antes da partida do voo. A primeira alteração será sem multa ou diferença de tarifa (mesmo destino, sujeito à disponibilidade de assentos e dentro da validade do bilhete) e poderá alterar o destino pagando a diferença de tarifa, se houver.
  • Se o passageiro não tiver certeza da data em que deseja viajar, poderá deixar o bilhete aberto por 12 meses, desde que notifique a companhia aérea pelo site, com pelo menos 7 dias de antecedência.
  • No caso de um voo ser cancelado ou reprogramado, o passageiro pode remarcar o bilhete sem multa ou diferença tarifária (sujeito à disponibilidade de assentos, para o mesmo destino e dentro da validade do bilhete). Se o passageiro deseja alterar o destino, a diferença de tarifa será aplicada, se houver.

Algumas Palavras

Ótimo ver que o Grupo Latam está começando a retomar as operações, pois muitos empregos dependem disso. Agora, vejo com ceticismo a volta dos voos para a Europa dada a situação do covid-19 no Brasil e o que se fala na União Europeia sobre controle de fronteiras. Mas, espero estar enganado!

Quanto à flexibilização das regras tarifárias eu acho que a Latam ainda não fez o bastante e falta um único detalhe – devolver o dinheiro do passageiro caso ele mude de ideia!

Aqui vai uma crítica minha não somente à Latam, mas a todas as empresas aéreas (confira mais detalhes sobre isso aqui, aqui e aqui). Num momento onde a situação muda de um dia para outro, quem irá se arriscar a comprar uma passagem aérea sabendo que a empresa não irá devolver o seu dinheiro mesmo que o voo seja cancelado?

Você, empresa aérea, quer que eu faça um negócio de risco e compre uma passagem, certo? Assuma parte deste risco e me devolva o dinheiro se eu me sentir inseguro ou se o voo for cancelado.

Num momento onde o fluxo de caixa é virtualmente zero, eu tenho certeza que é melhor receber algum dinheiro de um cliente sabendo que eu corro o risco de ter que devolvê-lo, do que não receber dinheiro nenhum. Concordam?

Portal das Malas