Lufthansa e United Airlines podem comprar a TAP

13
TAP Miles&Go oferece até 115% de bônus em transferências de pontos

De acordo com a publicação portuguesa Jornal de Negócios, o Grupo Lufthansa e a United Airlines podem comprar a TAP. Inclusive, o jornal revela que as negociações já estão bastante avançadas.

Aparentemente as discussões seguem em duas frentes. Uma delas seria apenas a compra dos 45% que David Neelaman detêm na TAP. Já a outra abrangeria a compra total da empresa e nesse caso passaria também pela aquisição dos 50% que pertencem a Humberto Pedrosa.

As negociações acontecem em um momento onde o governo português está indisposto com a direção da TAP após o anúncio de um prejuízo de €109 milhões em 2019. Segundo o jornal, tal indisposição se deve ao fato de que apesar da empresa ainda estar operando no vermelho quando já deveria ser lucrativa, os seus executivos receberam seus bônus referentes ao ano passado.

Algumas Palavras

Se essa notícia de que o Grupo Lufthansa e a United Airlines podem comprar a TAP se concretizar, estaremos apenas assistindo a algo totalmente previsível, que é a consolidação do mercado aéreo europeu.

Com o mercado dividido entre três grandes grupos (Airfrance-KLM, Lufthansa e IAG), a aquisição de empresas como TAP, Finnair e Alitalia (se não falir antes, claro) por um deles sempre foi (ou é) uma questão de tempo.

Devido ao domínio que a Iberia exerce sobre as rotas do Atlântico Sul, agora ainda mais forte com a aquisição da Air Europa, eu sempre imaginei que a TAP cairia nas mãos da Lufthansa. Só me surpreende ver a United Airlines fazendo parte das negociações.

Caso o negócio se concretize, a Lufthansa ficaria em uma posição bem confortável no que diz respeito ao mercado sul americano. Já a United Airlines certamente se beneficiaria tanto quando a Lufthansa, mas no que diz respeito às rotas do Atlântico Norte. Isso graças a grande expansão da TAP no mercado norte americano nos últimos anos.

Agora, a grande pergunta e possivelmente fonte de inquietação para os milheiros, diz respeito ao futuro do Miles&Go. Será que o programa permaneceria independente ou seria absorvido pelo Miles&More, a exemplo do que fez a Lufthansa com todas as empresas que adquiriu até hoje?