Os Melhores Resgates para a Ásia

38

Dando continuidade à série de posts sobre os melhores resgates com milhas por continente –  já fiz América do Norte e Europa –  hoje vou falar sobre os melhores resgates para a Ásia, saindo do Brasil.

Classe Econômica

O programa campeoníssimo, com larga margem, é o BAEC, da British Airways: são necessários 39.000 Avios para sair do Brasil e chegar na Ásia em baixa temporada, com um pit-stop em Londres. São 19.500 Avios por cada voo de cerca de 12 horas de duração.  Uma pechincha. Já em alta temporada, ou com trechos operados por diferentes companhias aéreas da Oneworld, esse valor sobe para 60.000 Avios.

O distante segundo lugar fica com o Lifemiles da Avianca Internacional com 50.000 milhas e, em terceiro lugar, bem perto do Lifemiles, ficou o Mileage Plus da United, com 55.000 milhas.

Dos programas brasileiros, o melhor colocado foi o LATAM Fidelidade, com emissão com as parceiras, que exige 60.000 pontos para a Ásia Oriental e 50.000 para a Ocidental (que inclui a Índia).

O TAP Victoria, por sua vez, exige, com as parceiras da Star Alliance e com a Emirates, via Dubai, 190.000 milhas ida e volta em econômica para a Ásia, que dá 85.000 milhas por trecho.

Por incrível que pareça, sai mais em conta ir de econômica para a Ásia com o Smiles, via Emirates (110.000 milhas) do que com o Amigo, que exige incríveis 140.000 milhas. Mas no Smiles, ir para a Ásia de econômica na KLM exige inacreditáveis 190.000 milhas ….

A American Airlines, infelizmente, cobra 2 passagens prêmio diferentes para a Ásia, o que pode exigir entre 65.000 (via América do Norte e em Saver Awards, o que é quase impossível) e 120.000 milhas.

Classe Executiva

Aqui, temos duas surpresas: o Lifemiles e o Mileage Plus empataram com 85.000 milhas a ida ou volta.

Mas nós estamos com um problema sério com a Star Alliance: o grupo Lufthansa, que inclui a Swiss, está dificultando muito as emissões a partir do Brasil em cabines superiores. Em todos os sites que procuro – United, ANA e Lifemiles – só é possível achar com muita sorte ou em cima da hora, mesmo em executiva.

Em segundo lugar, temos o LATAM Fidelidade, para emissão com as parceiras, que exige 110.000 pontos Multiplus para a emissão. É um bom valor para sair do Brasil e chegar em Tóquio via Madri com a Iberia, por exemplo.

A TAP cobra 250.000 milhas nas parceiras, mas todos já sabem que isso é para a ida e a volta, o que dá 125.000 milhas por trecho. É um bom valor considerando que é possível viajar na business do A380 da Emirates saindo de São Paulo com conexão em Dubai.

O BAEC exige 150.000 Avios off-peak, tem disponibilidade razoável para até 5 passageiros no mesmo voo e 180.000 regularmente. Lembro que a ida entre Brasil e Europa pode ser feita com a British, Iberia ou LATAM, e da Europa para a Ásia, é possível conectar com a Japan Airlines, Cathay Pacific e Finnair.

O Amigo, por sua vez, exige, 200.000 milhas e o BAEC, 150.000 Avios na baixa temporada e 180.000 na alta temporada.

O Smiles oferece voos em cabine mista com a Emirates para a Ásia pela bagatela de 280.000 milhas, ou seja: ou você sai do Brasil para Dubai e em executiva e de lá vai para a Ásia em econômica, ou chega em Dubai de ecômica e vai para o destino final em executiva. Não sei se é pra rir ou pra chorar.

Primeira Classe

O programa vencedor da categoria, surpreendentemente, é o Mileage Plus da United Airlines. É possível ir do Brasil para a Ásia em primeira classe por 125.000 milhas. É isso mesmo que você leu. Se você der aquela sorte de encontrar disponibilidade em primeira classe na Lufthansa saindo de Guarulhos e conectando em Frankfurt para Singapura essas 24 horas de voo em puro luxo saem por 125.000 milhas. Mas sabe o que você também pode fazer? Reservar o trecho em executiva com antecedênca por 85.000 milhas e, nos 15 dias antes do voo, verificar a disponibilidade em First. Se tiver, complete com as 40.000 milhas faltantes.

O segundo lugar fica com o Lifemiles, que exige 126.000 milhas, 1.000 milhas a mais que o Mileage Plus, mas incrivelmente mais instável e difícil de ter disponibilidade.

O LATAM Fidelidade é bem razoável nesse quesito e exige 140.000 pontos. Do Brasil para a Europa, a única companhia aérea que ainda oferece primeira classe é a British Airways. Mas saindo de Londres, é possível ir na excepcional First da Cathay Pacific para Hong Kong. Ou você pode optar por “sacrificar” parte do seu prêmio, indo de business para Doha pela Qatar e conectando para Bangkok ou Guangzhou na primeira classe do A380 e aproveitando o espetacular lounge da Qatar em Doha.

O TAP Victoria exige 380.000 milhas, o que dá 190.000 milhas por trecho. É tão puxado quanto o BAEC, que cobra 204.000 Avios off-peak e 240.00 regularmente por trecho.

E o Amigo, em um surto matemático, cobra 285.000 milhas para ir daqui para a Ásia em primeira classe. Não precisa ser um gênio para fazer uma simples conta: do Brasil para a Europa são 100.000 milhas em primeira classe e da Europa para a Ásia mais 115.000. Emitindo os trechos separadamente a gente tem 215.000 milhas. O detalhe é que há a terrível YQ no trecho entre Europa e Ásia. Mas, de repente, para quem não tem as 285.000 milhas, pode valer a pena.

Bom, espero que esse post tenha sido útil para vocês e peço desculpas por estar em falta com vocês em relação a esse tipo de post. Estou cheia de trabalho e com alguns percalços na vida nesse semestre.

Para ler os demais posts desta série, clique aqui.