Os milagres continuam acontecendo para a Alitalia

0

À Alitália foi concedido mais um milagre: o Ministro do Desenvolvimento Econômico da Itália, Stefano Patuanelli, estendeu o prazo para a apresentação de propostas para a aquisição da empresa para 23 de novembro. A extensão foi garantida após pedidos de duas interessadas – a estatal Ferrovie dello Stato (FS) e a Atlantia, um grupo econômico que atua em infraestrutura.

A Situação Atual

O pedido ocorreu depois de a Lufthansa ter enviado carta à FS afirmando que está disposta a fazer um importante investimento na voadora italiana. A FS lidera o consórcio que tentará comprar a Alitalia, mas ainda não conseguiu chegar a um acordo com as demais partes interessadas na operação – a Delta, a Atlantia e o MDE.

A Lufthansa condiciona o seu investimento à uma redução significativa no gasto com aviões, a um redimensionamento da frota e da malha, a um aumento da produtividade e a um acordo preventivo com sindicatos para diminuição de custos.

No plano atual, FS e Atlantia teriam 35% das ações cada uma, enquanto o Ministério da Economia e a Delta dividiriam igualmente os 30% restantes. Com isso, o Estado italiano teria pelo menos 50% de participação na companhia aérea.

A autorização do MDE veio com duas condições: a intervenção direta dos comissários responsáveis e a comparação imediata das propostas apresentadas. Assim, a proposta da Lufthansa será aberta.

Nela, há a previsão do corte drástico de 6.000 postos de trabalho, bem mais do que os 2.500 previstos no plano da FS.

Diante da nova situação, a Delta espera conhecer as reais intenções da Lufthansa para apresentar uma nova proposta que amplia sua participação de 10% para 15% da Alitalia, injetando mais dinheiro na empresa.

Atualmente, circulam rumores de que os cofres da Alitalia têm cerca de 150 milhões de euros, o que garante as operações da empresa apenas até o começo de 2020. Um novo empréstimo de 400 milhões de euros seria necessário para que a empresa consiga operar até que a reorganização societária seja levada a cabo.

Assim que ocorrer a reestruturação da empresa, os valores entregues pelo governo a título de empréstimo serão restituídos.

Algumas Palavras

Desde 2017 eu venho escrevendo posts sobre uma possível quebra da Alitalia. Foram tantas reviravoltas nesse meio-tempo que eu até desisti de postar – faz mais de ano que não menciono a situação da companhia italiana.

Para os passageiros antenados com o tema de companhias aéreas, o maior interesse é na disputa entre Lufthansa e Delta. Se a alemã sair vencedora, há a possibilidade de migração da Alitalia para a Star Alliance. Sendo a Delta a oferta prevalente, em termos de alianças, a situação fica mais nebulosa.

Apesar de ser membro fundador da Skyteam, há rumores que a Delta pretende formar a sua própria aliança, com as companhias aéreas nas quais tem participação.

De qualquer modo, quanto à manutenção das operações, acredito que a Alitalia está a salvo hoje, como esteve desde o início dessa sua última crise.