Processei a Smiles e a Delta, ganhei mas elas não querem que eu leve

78

Então, meus amigos, vou contar minha saga. Fui forçada a entrar na justiça contra a Smiles e a Delta por conta da nova cabine do A350.

Em julho, eu emiti um bilhete de milhas entre Tóquio e Detroit e de lá para a Filadélfia em que constava que ambas as cabines eram “primeira classe”. Eu imaginei, obviamente, que  ambos os trechos seriam feitos nos melhores assentos do avião, correto? Errado. Quando fui marcar o assento, lá estava disponível a econômica premium no trecho de 12 horas entre o Japão e os EUA.

Liguei imediatamente para a Smiles relatando o problema e, de 15 em 15 dias eles me ligavam dizendo que “estavam resolvendo”. Dois meses depois, eu cansei, né? Entrei com uma ação pedindo somente que me colocassem no melhor assento do voo que iria fazer.

Claro que eu tinha toda a documentação, print screens, emails  – tudinho. E fui bem clara na petição:  expliquei que só escolhi esse voo por conta do blog, para poder mostrar para vocês que me prestigiam tanto como é a nova Delta One do A350. Teve a audiência e  foi designada a leitura da sentença para o dia 1o de dezembro.

Na 6a feira saiu a sentença condenando ambas Delta e Smiles a me colocarem no Delta One entre Tóquio e Detroit.

Pois bem. Liguei hoje para a Smiles para informar a decisão da justiça e saber a quantas andava a minha reserva e adivinhem: no dia 27 de novembro (4 dias antes da leitura programada da sentença) cancelaram a minha reserva e me colocaram em outro voo, em um B777 com cabine de executiva de 15 anos atrás, a mais antiga em uso da companhia.

Ao invés disso aqui …

querem que eu voe nisso aqui (especial atenção ao tamanho da tela e ao descanso do pé):

Gente, não é uma desfaçatez?

Antes mesmo de saberem a decisão do juiz, a Delta ou a Smiles CANCELARAM A MINHA RESERVA E ME COLOCARAM EM OUTRO VOO MUITO PIOR.

Quando eu faço um post com avaliação de companhia aérea, eu escrevo para mostrar para todos como as empresas aéreas e os programas de milhas tratam seus passageiros comuns. Como elas me tratam, como elas tratam vocês, a mãe de vocês, seus primos, seus amigos e seus colegas.

De que adianta as empresas  fazerem “parcerias” baseadas em “respeito e admiração”  com blogueiros famosos e tratarem o resto dos clientes como lixo?

E eu digo sem papas na língua:

Smiles e Delta, vocês tiveram um comportamento VERGONHOSO nesse episódio todo. Podiam ter resolvido isso de modo exemplar, cumprindo aquilo que eu adquiri e que gastei 100.000 milhas suadas para adquirir.  Ou, pelo menos, que cumpram a decisão da justiça.

Se a Delta e a Smiles fossem verdadeiramente comprometidas com uma boa prestação de serviços, eu não precisaria de 200.000 seguidores para ter aquilo que paguei (sem parceria nenhuma). Bastaria eu ser uma consumidora qualquer para ter o respeito dessas empresas.

E vocês, meus amigos? Já foram tratados como passageiros de terceira pela Smiles e/ou pela Delta? Alguém também está com a situação igual a minha?

Comentem, divulguem e compartilhem.

OBS: Só para constar para instrução processual posterior, ainda há uma vaga na Delta One do voo que reservei, que está sendo vendido a 872,500 ienes (cerca de R$ 25.000,00)

A própria Delta reconhece que o outro voo que me colocou é inferior, quando vende a passagem por 695,500 ienes (cerca de R$ 20.000,00).

OBS: Já tem post novo sobre o assunto, porque a Smiles decidiu me colocar de volta na econômica premium – clique aqui para saber.