Programas de Milhagem Brasileiros: Resgates Cada Vez Mais Difíceis

44

Quem acompanha esse e outros blogs de milhas com certa regularidade já percebeu que os programas de milhagem brasileiros estão dificultando cada vez mais os resgates de passagens aéreas.

Me lembro quando lancei o Milhas & Destinos há menos de um ano, leitores comentavam a facilidade no resgate de passagens no TudoAzul tanto em relação à disponibilidade como à quantidade de milhas exigidas.

Nos bons tempos de Smiles era comum achar bilhetes em executiva na Qatar saindo de Doha para diversas cidades da Ásia, assim como de cidades da Europa para Doha. Eu mesma emiti Doha – Bangkok na primeira classe por 32.500 milhas, comprando com relativa antecedência. Também era  fácil achar passagens do Rio para Tóquio por 100.000 milhas na executiva da Alitalia. Tenho certeza que muitos de vocês têm histórias de bons resgates para contar.

Até mesmo na LATAM era possível emitir boas passagens – tanto nas companhias da Star Alliance como nas da Oneworld – sem grandes esforços. Bastava uma quantidade razoável de pontos e um bom planejamento.

Hoje em dia, só leio reclamações sobre todas elas: quantidades surreais de milhas/pontos e impossibilidade de resgate são frequentes.

O Smiles praticamente só serve para emitir Delta e TAP em promoção e, para os mais aventureiros, ainda há a opção da Korean. Não consigo mais achar a Qatar na executiva em nenhum trecho, ainda que eu procure com 364 dias de antecedência. O resgate  na Etihad e na Emirates, além de raros, custam um rim e um olho. Idem para quem tenta emitir Air France e KLM – são raríssimas as oportunidades em executiva.

O LATAM Fidelidade encerrou os resgates com a Star Alliance e não se deu ao trabalho de avisar aos clientes. A emissão com as parceiras online, só com muita paciência e antecedência (e só pode emitir com origem/destino no Brasil). Os resgates na própria LATAM custam o dobro do que as parceiras cobram.

E o Amigo é o desgosto de muita gente. As pessoas transferiram os pontos do cartão de crédito para o programa e não conseguem emitir com as parceiras da Star Alliance. A disponibilidade até aparece, mas na hora de emitir, o sistema trava e ninguém consegue. É um verdadeiro boicote ao cliente.

Está mais do que na hora de uma retaliação maciça aos programas. Dentre as medidas que podem ser tomadas estão as reclamações nos canais governamentais, nas empresas, na Oneworld e na Star Alliance; não transferir pontos do cartão de crédito para forçar melhores promoções; cancelar assinaturas dos clubes de milhagem etc.

Temos que entender que o único elemento essencial dos programas de milhagem são os clientes.  Sem nós, não há lucro.