Reino Unido planeja impor quarentena obrigatória em hotéis a todos que chegam no país

0
Reino Unido planeja impor quarentena obrigatória em hotéis a todos que chegam no país

Depois do surgimento da mutação do coronavírus no sul da Inglaterra e uma disparada nos casos de contaminações e internações, o governo britânico vem estudando diferentes medidas para tentar controlar a doença no país. Segundo os jornais locais, o primeiro ministro Boris Johnson deve anunciar ao longo desta semana uma quarentena obrigatória para todos que chegarem no país.

A ideia é seguir o exemplo da Austrália e da Nova Zelândia e fazer com que todos os passageiros, cidadãos britânicos ou não, fiquem por duas semanas em hotéis pré-definidos. A conta, obviamente, será paga pelo hóspede.

Implementar uma medida como essa num país como o Reino Unido, no entanto, não é tão simples. Enquanto na Austrália e Nova Zelândia o tráfego de passageiros está restrito basicamente a aviões, no Reino Unido trens e ferries levam e trazem milhares de pessoas diariamente.

Portanto, a questão se torna onde acomodar tante gente por tanto tempo? Além disso, o país depende quase que inteiramente da importação de frutas e vegetais para abastecer os seus supermercados. Para contornar o problema a ideia é deixar os caminhoneiros fora da regra, mas isso seria uma fração do volume de pessoas que chegam no país atualmente.

Inicialmente, o anúncio deveria ter sido feito hoje. Todavia, a falta de consenso dentro do próprio governo atrasou a decisão final para algum momento desta semana. Enquanto o ministro dos transportes e o primeiro ministro preferem colocar em quarentena forçada apenas os passageiros oriundos dos países de alto risco, que inclue o Brasil, a ministra do interior argumenta que para funcionar, todos devem se isolar.

Estamos apenas na quarta semana de 2021 e a impressão inicial é que, mesmo com as vacinas sendo aplicadas, o ano será bem difícil e cheio de supresas. Viajar com alguma tranquilidade deverá ficar para o segundo semestre – se não tivermos mais mutações do coronavírus.