Star Alliance altera regra de acesso às salas VIP

7
Sala VIP Star Alliance - GIG nov 2018

A Star Alliance mudou as regras de acesso de seus membros Gold aos lounges terceirizados, informou Gary Leff do site A View From the Wing.

Como tudo começou

No início do ano, a United Airlines, em franca oposição à política geral da Star Alliance, havia impedido o acesso de membros Star Alliance Gold voando em econômica em lounges terceirizados. Somente os passageiros voando em classe executiva passaram a ter acesso a esses lounges. Alguns dos aeroportos para os quais a United voa que foram atingidos com a medida foram Atenas, Barcelona, Cape Town, Dehli, Dublin, Edinburgh, Glasgow, Lima, Madri, Milão, Nice, Praga, Quito, Santiago e Veneza.

Algumas dessas cidades têm lounges operados diretamente pelas companhias da Star Alliance, como Atenas, que é o hub da Aegean. Nesse caso, os membros Star Alliance Gold voando em econômica na United tinham acesso normal à sala própria da Aegean.

Entretanto, as regras de utilização dos lounges terceirizados pelos membros Gold voando em econômica era permitida indiscriminadamente segundo as regras da aliança.

Como está a situação com a Star Alliance agora

O problema é que, ao invés de forçar a United a cumprir com o regulamento da aliança, como as outras companhias aéreas membro fazem, a Star Alliance decidiu fazer um downgrade da sua política, claramente prejudicando seus clientes.

Agora, a política é a seguinte:

Star Alliance: Política de acesso a lounges terceirizados
Star Alliance: Política de acesso a lounges terceirizados

Ou seja, os passageiros podem entrar nesses lounges dependendo da política de acesso de cada companhia aérea membro.

Algumas Palavras

A United Airlines tem uma influência tremenda dentro da Star Alliance por ser a companhia aérea fundadora da aliança. Assim, ela pode forçar a aliança a mudar as regras de acesso, restringindo alguns dos direitos que seus passageiros Gold possuíam.

A questão, mais uma vez, é que nenhuma informação é publicizada com antecedência para que os passageiros possam optar entre a fidelidade à aliança ou não. São os passageiros ou blogueiros que descobrem e passam publicam a notícia. Nesse caso, o Gary Leff escreveu para a United para confirmar a restrição. Depois disso é que a Star Alliance atualizou as regras no seu site.

As empresas têm todo o direito de rever benefícios, mas, ao retirá-los, que sejam transparentes e que oportunizem tempo aos consumidores para que eles possam decidir qual é a medida mais adequada para o seu perfil.

Para ler o artigo do Gary Leff, clique aqui.