Um erro de principiante quase custou minha viagem …

54

No mei último post, eu avaliei a classe executiva da EVA Air no B77W no voo de Nova York para Taipei. O que eu não revelei para vocês foi o verdadeiro drama que se desenrolou antes do meu embarque.

Cheguei no aeroporto 3 horas antes da hora do voo, como de costume, e fui fazer meu check-in no balcão da EVA Air. O atendente pegou minha confirmação de reserva e pediu meu passaporte, o qual prontamente entreguei. Depois de conferir meus dados, ele começou a folhear o passaporte.

"Sra, onde está o seu visto para Taiwan?".

"Eu sou brasileira e tiro o visto na chegada".

"Deixe-me checar de novo".

Não é preciso dizer que algo como um incômodo se instalou em mim.

"Sinto muito, Sra., mas brasileiros precisam de visto prévio. Mas não tem problema, a Sra pode tirá-lo online".

Eu realmente não tinha dado conta do visto, porque pensei que Taiwan seria igual a Hong Kong ou Macau, com visto na chegada, ou como na China continental, onde brasileiros podem ficar até 96 horas sem visto contanto que partam para um país diferente daquele de onde chegaram.

Eu só tinha um celular à mão e imaginei que essa tarefa não seria fácil. Entrei no site consular de Taiwan e descobri que o pedido de visto é online, mas é preciso que as autoridades consulares aprovem o visto e eram 22 horas em NY.

"Sr., por esse caminho não vou conseguir. Só vou passar 36 horas em Taiwan. O Sr. tem certeza que preciso de visto para ficar tão pouco tempo?"

"Um momento, vou consultar meu superior".

Depois de algum tempo no telefone, conversando com o superior ele volta com a resposta.

"Infelizmente, a Sra só está autorizada a ficar, no máximo, 24 horas em Taiwan e mesmo assim, sem sair do aeroporto. Para embarcar, a Sra vai precisar de prova escrita de que Taiwan é só uma escala. A Sra tem que apresentar uma passagem de saída dentro de 24 horas de sua chegada".

Nesse momento, eu passei da tensão  para pânico full mode on. Me passou pela cabeça que perderia as 75.000 milhas Lifemiles e o voo na Delta One do A350 que eu tanto tinha suado para conseguir. Já me imaginava batendo na porta da casa da minha prima, de onde tinha saído 2 horas antes.

Mas eu não desistiria tão fácil, não é? Liguei, via Skype, para o Executive Platinum Desk do AAdvantage. A ligação completava e caía e me lembrei que, há um tempo atrás, o AAdvantage mudou o sistema e agora não aceita ligações via Skype.

Para piorar a situação, eu estava com o sim card brasileiro e se eu ligasse do meu celular, eu iria pagar uma fortuna pelo telefonema. Na cara e na coragem – e com muita humildade, pedi ao atendente que me emprestasse, por favorzinho, o celular dele – que eu ligaria para um número 0800 para tentar emitir uma passagem. Ele foi gentilíssimo e me cedeu o telefone.

Fui atendida em menos de 1 minuto. Expliquei a situação para o atendente do AAdvantage e pedi para ver a disponibilidade Taipei – Tóquio pela JAL em qualquer classe de voo.

"Sra., infelizmente nosso sistema está passando por um upgrade e é impossível emitir bilhetes com menos de 24 horas de antecedência da hora do voo".

Sem titubear, eu respondi que …

"Ha! Mas devido ao fuso horário eu vou pular o dia 7 de dezembro e só chego em Taipei no dia 8 de dezembro, mais de 24 horas em relação ao fuso americano".

"OK, Sra. Deixe-me ver o que eu tenho disponível ... Tenho uma executiva partindo às 10 horas.".

"Ótimo. Mas eu preciso que essa passagem seja emitida imediatamente, porque eles precisam de prova escrita que vou tenho passagem saindo de de Taipei". 

"O bilhete entra em fila de emissão automática e pode demorar 10 minutos ou 3 horas para ser emitido".

"Pelamordedeus e da sua família e de tudo de mais sagrado em sua vida, entre em contato com o setor responsável e peça para eles emitirem esse bilhete manualmente com urgência".

"Um momento, Sra. Vou ver o que pode ser feito".

Cinco minutos depois …

"Sra., o seu bilhete foi emitido. Entre na sua conta AAdvantage que lá vai constar todos os dados necessários que confirmam sua saída de Taipei no dia 8 de dezembro às 10 da manhã".

Aleluia!!!!

Corri para o check-in e o atendente verificou tudo e inseriu o meu voo de saída de Taipei, etiquetou minha mala até Tóquio. Eu, que já estava à beira de um ataque de nervos, finalmente relaxei. Mas até agora eu fico indignada comigo mesmo por ter sido tão descuidada.

O que eu aprendi com esse episódio:

1 . Não importa se você já tem mais de um milhão de milhas voadas nas costas e é viajante frequente: seja humilde e verifique todas as informações necessárias para a sua viagem com antecedência.

2 . O AAdvantage Executive Platinum Desk funciona excepcionalmente bem em caso de emergência. Já é a segunda vez que eles conseguem me tirar de enrascadas sérias (a primeira não foi culpa minha e depois eu conto essa história).

3. Se você é viajante frequente, sempre, sempre, sempre tenha status alto com companhias aéreas estrangeiras. Algum de vocês imagina que o LATAM Fidelidade (em que sou Black) ou o Smiles (em que sou Ouro), ou o Amigo (em que sou Silver) teria resolvido a minha situação com tanta eficiência e rapidez, ainda mais em um país estrangeiro? Eu estou errada em achar que nenhum desses programas dariam conta da minha situação? Respondam honestamente.

4. Tenha sempre uma boa quantidade de milhas de reserva. Não torre tudo!

5. Hong Kong, Macau e China continental não tem qualquer relação de semelhança com Taipei.

O que farei em 2018: voltarei para o AAdvantage e vou tentar reaver meu status Executive Platinum.

E vocês? Alguém já se viu em apuros por conta de visto?